8 Hábitos simples para aumentar o poder da mente

8 Hábitos simples para aumentar o poder da mente

Por que manter a mente em forma?

Para alcançar os seus objetivos mais rápido, como passar em um concurso público ou envelhecer com mais saúde.

Estudar exige naturalmente um esforço mental, seja para compreender, memorizar ou resgatar uma informação a longo prazo.

Estudar em alto nível, então, como é o caso dos concursos, exige um rendimento mental ainda  mais elevado.

Para superar esses desafios intelectuais você precisa aprender a manter a sua mente em forma.

Para facilitar, vou mostrar 8 hábitos simples e comprovados pela neurociência para aumentar o poder da mente.

Antes, você precisa compreender a diferença entre mente e cérebro.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE MENTE E CÉREBRO?

Cérebro é o órgão físico central do sistema nervoso.

Mente, por sua vez, é uma palavra utilizada para descrever as funções intelectuais superiores do cérebro. Está relacionada, portanto, com o funcionamento do cérebro.

Logo, um cérebro saudável implica, necessariamente, em uma mente em forma.

Percebeu como as duas coisas estão interligadas?

QUAIS SÃO OS 8 HÁBITOS PARA AUMENTAR O PODER DA MENTE (OU DO CÉREBRO)?

A neurociência já comprovou que existem, pelo menos, 8 hábitos essenciais para aumentar o poder da sua mente:

8 Hábitos para manter a mente em forma

Muitas pessoas sabem disso mas sentem dificuldade para colocar em prática.

Conhecendo os efeitos que essas 8 atitudes exercem sobre a sua saúde mental tenho certeza que você vai se sentir muito mais motivado!

 #1. COMER COM EQUILÍBRIO

O cérebro humano tem 86 bilhões de neurônios e pesa entre 1.2 kg e 1.5 kg, cerca de 2% do peso total do corpo.

Apesar disso, ele gasta 25% da energia que você consome diariamente, ou seja, mais ou menos 500 kg/cal por dia, em uma dieta de 2.000 kg/cal.

Logo, o que você come exerce um papel essencial no funcionamento saudável do cérebro!

Nutrientes para o bom funcionamento do cérebro


Existem diversas dietas específicas para o cérebro.

A dieta mediterrânea, que inclui grande quantidade de frutas, vegetais, grãos, além de azeite de oliva, baixa ingestão de carne e um copo de vinho tinto com a refeição, reduz o risco de doença cardiovascular, hipertensão e diabetes.

Pesquisas recentes têm demonstrado que a dieta mediterrânea também possui impactos positivos no cérebro.

Capa do livro A Dieta da MenteNo livro “Dieta da mente”, Dr. David Perlmutter afirma que o glúten e os carboidratos são responsáveis por processos inflamatórios cerebrais. Ele recomenda uma dieta predominantemente composta por gorduras (75%), proteínas (20%) e pouquíssimos carboidratos (5%).

A diferença é enorme quando comparada à dieta que predomina atualmente: 60% de carboidratos, 20% de gordura e 20% de proteínas.

Além de afirmar que as gorduras são amigas do homem, o neurologista argumenta que fazer jejuns (de 24 a 72 horas) e tomar suplementos, como cúrcuma, probióticos e óleo de coco, também ajudam a melhorar as funções cerebrais.

A dieta da mente do Dr. Perlmutter sofreu críticas de especialistas. Eles afirmam que outras dietas, como a Mediterrânea, por exemplo, que contém uma quantidade maior de carboidratos, também reduzem risco de Alzheimer.

Tenha em mente que, do ponto de vista nutricional, o ideal é que a sua dieta seja balanceada.

Se todo o corpo ficar saudável, o cérebro também ficará.

Dicas universais para uma boa alimentação

Lembre-se que essas são regras gerais. Para uma maior segurança alimentar, consulte um nutricionista.

 #2. DORMIR BEM

Mulher dormindo

Qual é o papel do sono para a saúde mental?

O ciclo sono-vigília (dormindo-acordado) faz parte da natureza humana e dos animais, sendo capaz de se autorregular.

Na vida contemporânea, no entanto, muitas vezes esse ciclo fica comprometido. Em algumas situações, você fica acordado quando deveria estar dormindo e dorme quando o corpo recebe sinais de que deve se manter acordado.

Quem nunca assistiu a um filme ou ficou estudando até mais tarde? Quem nunca acordou com vontade de ficar mais 5 minutinhos na cama?

Os jovens estão dormindo cada vez menos e passando cada vez mais mais tempo na internet (em computadores ou smartphones), inclusive nas madrugadas.

A vontade é de não dormir…de ficar acordado para aproveitar mais.

Afinal, por que dormir é importante?

O sono exerce uma papel fundamental em diversos aspectos do corpo humano, especialmente no funcionamento do cérebro.

Pesquisas comprovam que a falta de sono está associada a uma variedade de situações desagradáveis, como dores de cabeça, depressão, infarto, diabetes e até mesmo morte prematura.

Além disso, quando ficamos acordados durante muito tempo, o cérebro produz determinadas substâncias tóxicas que prejudicam a memorização e o aprendizado.

Durante o sono, todavia, as células neurais “encolhem”, desbloqueando o fluxo dessas substâncias nocivas, limpando e reorganizando o cérebro.

Assim, ele fica preparado para aprender coisas novas no dia seguinte.

Além disso, o sono é responsável por consolidar informações na memória de longo prazo.

Uma dica importante para reforçar o aprendizado é dar uma olhada no material um pouco antes de dormir.

Desse modo, aumentam as chances de guardar esses assuntos de forma permanente na memória.

Quantas horas dormir por dia?

De acordo com os especialistas, você deve dormir de 6 a 8 horas diárias!

Dicas para dormir bem
 

 #3. FAZER EXERCÍCIOS

Mulher correndo

Os exercícios físicos afetam positivamente a memorização e o aprendizado.

Está comprovado cientificamente que a prática regular de exercícios aeróbios estimula o nascimento de neurônios na região do hipocampo cerebral, mesmo na idade adulta.

Esse processo é chamado de neorogênese.

Portanto, a afirmação de que os neurônios vão apenas morrendo ao longo da vida adulta não passa de um mito. Agora se sabe que é possível reverter esse quadro.

É importante ressaltar que o hipocampo é uma estrutura do cérebro fundamental para a consolidação da memória.

Pesquisas indicam que indivíduos com certo treinamento físico, de uma forma geral, saem-se melhor nas provas de função cognitiva quando comparados ao que têm pior forma física.

Esses resultados apoiam a ideia de que a atividade física pode agir como um mecanismo de proteção contra os efeitos degenerativos do processo de envelhecimento cerebral.

Estudos demonstram que exercícios físicos feitos adequadamente reduzem à metade o risco de demência e em 60% a probabilidade de ocorrência de Mal de Alzheimer.

Além disso, 20 minutos diários de caminhada reduzem em 57% o risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Os benefícios são variados.

Os exercícios melhoram a circulação sanguínea, conectando o sistema nervoso com outros aparelhos, como o cardiovascular e o digestivo, gerando uma sequência de efeitos positivos sobre a saúde em geral.

Pacientes com ansiedade e depressão respondem melhor ao tratamento quando acompanhados da prática de exercícios físicos.

Rede de neurôniosUm dos motivos é que os exercícios estimulam a produção de neurotransmissores importantes como a acetilcolina, a serotonina e a dopamina.

Esses são os três principais neurotransmissores responsáveis pelo aprendizado.

Neurotransmissores são substâncias químicas que possuem papel fundamental nas sinapses entre os neurônios.

No filme “Invictus”, Nelson Mandela (interpretado pelo ator Morgan Freeman) acorda bem cedo todos os dias para uma caminhada, apesar das recomendações contrárias da sua segurança.

Somente depois ele seguia para o gabinete presidencial, onde tomou decisões fundamentais para a reconciliação da África do Sul. Ele tinha bons motivos para se exercitar!

Qual é a intensidade de exercícios recomendada?

Segundos os cientistas, o ideal é que você:

Pratique 30 minutos diários de exercícios aeróbios de intensidade moderada.

Uma simples caminhada já resolve o problema. Não é muito difícil, viu só?

Depois de saber tudo isso, você ainda vai ficar parado aí no sofá?

Não se esqueça de consultar um médico antes de iniciar a prática de exercícios físicos.

Está gostando do artigo?

INSIRA SEU E-MAIL ABAIXO PARA FAZER O DOWNLOAD GRATUITO DO E-BOOK "#7 ESTRATÉGIAS NINJA PARA PASSAR EM CONCURSO PÚBLICO EM TEMPO RECORDE!"

 #4. LER BASTANTE

Menina lendo

A leitura frequente é outra atividade que influencia para a manutenção de um cérebro jovem e saudável.

O famoso caso das freiras:

Freira lendoEm um famoso estudo, foram analisados, após a morte, os cérebros de freiras que viveram em um determinado convento.

Cerca de 80% das freiras cuja escrita foi medida como de baixa habilidade linguística desenvolveu Alzheimer na velhice.

Por outro lado, no grupo de freiras cuja habilidade linguística era alta, apenas 10% acabaram sofrendo da doença em idade avançada.

Como se adquire habilidade línguistica e de escrita avançadas?

Praticando, ou seja, lendo e escrevendo muito!

Além disso, ao ler você exercita a concentração e adquire uma linguagem rica em vocabulário e estrutura.

Isso vai ser fundamental para tirar uma boa nota na redação do concurso público.

Algumas pessoas afirmam que não gostam de ler. Esse mau hábito começa principalmente na juventude.

Eu não acredito que alguém seja incapaz de gostar de ler.

Certamente essas pessoas foram obrigadas a ler o que não queriam e ainda não encontraram assuntos que lhes proporcionam prazer na leitura.

Não está gostando do livro que está lendo? Feche e procure outro. Tenho certeza que vai encontrar um pelo qual vai se apaixonar.

A leitura aflora a imaginação, a criatividade, aumenta o conhecimento e a compreensão do mundo.

Se você não tem o hábito de ler, comece hoje mesmo!

 #5. PENSAR POSITIVO

Mulher correndo feliz com balões

No mesmo estudo das freiras, também foram analisados os diários e escritos particulares delas.

Os pesquisadores descobriram que aquelas que manifestavam, por meio dos escritos da juventude, um estado emocional positivo tiveram uma vida mais longa e menor incidência de Alzheimer.

De outra parte, as freiras que eram habitualmente negativas em seus sentimentos, viveram menos e tiveram mais casos de Alzheimer e sintomas de deterioração cognitiva.

Para manter seu cérebro em forma, procure manter uma atitude emocional positiva.

No final dos anos 1960, Richard Bandler e John Grinder, criadores da Programação Neurolinguística (PNL), descobriram que a linguagem tem o poder de alterar o estado emocional.

Segundo a PNL, a linguagem produz os pensamentos, que influenciam os sentimentos, que determinam as ações, que se tornam hábitos e que, por fim, geram os resultados.

Em outras palavras, a linguagem que está programada no nosso subsconsciente acaba sendo a responsável, em última instância, pelos resultados que alcançamos.

A boa notícia é que é possível programar o subconsciente para que ele reproduza automaticamente pensamentos, sentimentos e ações positivas.

Quer passar em um concurso? Comece mudando o seu modelo mental.

Pense, fale, acredite e sinta todos os dias que vai ser aprovado.

Essa energia vai te mover para o sucesso, não tenha dúvida!

 #6. CONTROLAR O ESTRESSE

Mulher com a mão no rosto estressada

O neurocientista Facundo Manes define o estresse da seguinte forma:

Estresse é o conjunto de reações fisiológicas que preparam o organismo para a ação.

Em princípio, a função do estresse é permitir a adaptação do indivíduo às mudanças do meio.

Nem todo estresse é negativo. Níveis moderados são até mesmo recomendados, uma vez que estimulam o cérebro e mantém você em alerta sobre o que acontece no entorno.

Porém, quando as demandas do meio são excessivas, intensas ou prolongadas e superam a capacidade de resistência e adaptação do organismo, sobrevém o estresse patológico (ou distresse).

Facundo explica que o distresse é o resultado da relação entre o indivíduo e o entorno, avaliado por ele como uma ameaça que ultrapassa seus recursos e põe em perigo seu bem-estar.

Você se estressa quando sente que não consegue enfrentar o que o meio solicita.

Nível altos e prolongados de estresse podem ter efeitos negativos nas funções cognitivas, como a memória e o aprendizado.

Explicação técnica:

O estresse dispara a liberação do cortisol, que é o hormônio produzido nas glândulas suprarrenais (localizadas acima dos rins).

Os receptores do cortisol no cérebro estão localizados em duas áreas: hipocampo e córtex pré-frontal. O excesso de cortisol nessas áreas prejudica as funções intelectuais.

Logo, exigir demais de si mesmo é um erro!

Quer obter um alto rendimento da sua mente? Então separe um tempo para descanso, lazer e distração.

Existem diversas terapias para controle da ansiedade e do estresse.

Uma das mais simples e efetivas é a meditação.

Estudos recentes comprovam que a meditação provoca mudanças fisiológicas no sistema nervoso autônomo associadas ao relaxamento, tais como a diminuição da frequência cardíaca e da respiração.

Os benefícios da meditação são variados.

No campo educacional, meditar durante poucos minutos permite alcançar o estado alfa, também chamado de alerta relaxado, considerado ideal para a aprendizagem.

 #7. DESAFIAR A MENTE

Peças de um quebra-cabeça

O que você faz quando quer fortalecer seus músculos?

Exercita-os! Levanta pesos que desafiam os seus próprios limites.

Com o cérebro não é diferente. 

Existem algumas atividades que fazem parte do nosso cotidiano. Essas atividades são importantes e algumas delas até mesmo exigem algum grau de dificuldade.

No entanto, o cérebro acaba se acostumando com elas.

Quando as pessoas começam a envelhecer normalmente se queixam de dificuldades relacionadas com a memória, a concentração e o aprendizado.

Pesquisas têm demonstrado que essas dificuldades aparecem com maior frequência justamente nas pessoas mais acomodadas, ou seja, aquelas pessoas que se acostumam com uma determinada rotina em suas vidas.

Para melhorar as funções cognitivas, e minimizar o processo de envelhecimento natural, é fundamental desafiar o cérebro a experimentar novas situações.

Você precisa desafiar a sua memória, aprender novas habilidades, frequentar locais diferentes, conhecer novas pessoas. Enfim, buscar interagir com a realidade sob aspectos até então desconhecidos para você.

Isso inclui praticar jogos de memorização, fazer palavras-cruzadas, ler livros sobre assuntos variados, ir ao cinema, viajar para locais diversos, frequentar galerias de arte e assistir à peças de teatro, por exemplo.

Experimentar novas formas de viver previnem eventuais perdas cognitivas ao longo do tempo.

Desafie a sua mente! Vai trazer benefícios para você, independente da sua idade.

 #8. SAIR COM OS AMIGOS

Amigos felizes em um bar

Por que sair com os amigos faz bem para a saúde mental?

Experimentos científicos comprovam que para manter uma mente jovem e saudável também é recomendável manter uma vida socialmente ativa.

A interação social estimula diversas áreas do cérebro, como a linguagem, a audição, a atenção, a concentração, as emoções, a memorização e o aprendizado.

O intercâmbio de ideias com pessoas de diferentes origens e opiniões faz bem para o cérebro.

Segundo as pesquisas, há uma forte correlação entre a participação ativa em grupos sociais e menor déficit cognitivo.

É importante ressaltar que a interação social não evita, necessariamente, o Alzheimeir. Todavia, é capaz de retardar o aparecimentos dos sintomas, com a perda da memória e das dificuldades cognitivas.

Concurseiros tendem a achar que estão perdendo tempo ao sair com os amigos e se divertir um pouco. Isso é um equívoco!

Apenas tome cuidado para não exagerar na dose.

CONCLUSÃO

Não é possível alterar a predisposição genética a certas doenças.

Por outro lado, esses 8 hábitos constituem estratégias eficazes para melhorar seu desempenho mental na juventude e reduzir o risco de deterioração cognitiva ao longo do tempo.

Quer passar em um concurso público?

Então você precisa de uma mente forte, saudável e capaz de atuar com um desempenho elevado!

O vídeo abaixo foi publicado pela revista Galileu e contém excelentes dicas para manter o cérebro sempre jovem. Assista, vale a pena!

E você? Está cuidando bem do seu cérebro?


Fontes:

MANES, Facundo. Usar o cérebro: aprenda a utilizar a máquina mais complexa do universo. São Paulo: Planeta, 2015.

MEDINA, John. Aumente o poder do seu cérebro. Rio de Janeiro: Sextante, 2010.

PERLMUTTER, David. A surpreendente verdade sobre o glúten e os carboidratos – os assassinos silenciosos do seu cérebro. São Paulo: Paralela, 2014.

QUER FICAR POR DENTRO DE TODAS AS NOVIDADES DO LOUCOS POR CONCURSOS?

Baixe Grátis o E-book: 

arrow

Banner eBook 7 estratégias ninja para passar em concurso público em tempo recorde